Blog de notícias, dicas e novidades

Blog

18
Julho
2017
0
Prevenção de Câncer Bucal

Prevenção de Câncer Bucal


18 Julho 2017 Atualizado em 18 Julho 2017
Tamanho da fonte
pequena
normal
grande
Versão para impressão
imprimir
O envelhecimento da população é alvo de preocupação, sendo que na última década o número de pacientes com mais de sessenta anos dobrou.

O envelhecimento da população é alvo de preocupação, sendo que na última década o número de pacientes com mais de sessenta anos dobrou. Isto mostra o aumento da expectativa de vida e problemas comuns aos idosos, como as doenças crônicas degenerativas, dentre elas o câncer.

Câncer é uma palavra genérica para designar tumor maligno, portanto, não existe câncer benigno, e sim, câncer com maior ou menor grau de agressividade.

Todo câncer é agressivo, destrutivo, infiltrativo, e para diagnosticar o tipo de câncer é necessário realizar biópsia e exame histopatológico da lesão. Somente assim, é possível constatar qual o tipo de neoplasia maligna, bem como o seu grau de agressividade.

A cavidade bucal está intimamente relacionada a vários agentes agressores que predispõem às lesões, desde lesões inflamatórias, infecciosas, neoplásicas, além de manifestações de doenças sistêmicas.

Historicamente, o tipo mais comum de câncer na boca é o carcinoma espinocelular ( CEC ), que representa entre 90% e 95% de todas as neoplasias malignas dessa região. O CEC é de origem epitelial, ou seja, do tecido que recobre as paredes da cavidade bucal ( mucosa ) e portanto, de fácil visualização.

A região afetada apresenta-se avermelhada ou esbranquiçada, ou ambas.

Vulgarmente o paciente refere-se como sendo uma ferida que não desaparece perdurando até 20 ( vinte ) dias.
A demora para o diagnóstico dificulta o tratamento deixando o prognóstico mais sombrio em função dos danos anatômicos e funcionais causados pela neoplasia maligna.

Os processos tecnológicos desenvolvidos nas últimas décadas proporcionaram e aprimoraram as condições de avaliação das neoplasias, porém o auto- exame e consultas ao cirurgião dentista frente aos primeiros sinais suspeitos de lesão, continuam sendo as melhores maneiras de diagnosticar precocemente o câncer bucal.

A formação adequada em Diagnóstico Bucal do aluno de Odontologia, a manutenção e atualização contínua do profissional da saúde, exame clínico detalhado e minucioso, colaboram para identificar os fatores carcinogênicos.
Saber diagnosticar e tratar adequadamente as lesões da cavidade bucal, instruir e orientar o paciente à realização do auto-exame e consultar periodicamente o cirurgião dentista são passos fundamentais para a prevenção do câncer bucal.

O que você achou desta informação?


Avaliação

Deixe sua avaliação
Comentários
0
Deixe seu comentário

 

Comentários

Faça parte da notícia, deixe seu comentário, expresse sua opinião.
E-mail protegido, também não gostamos de SPAM
Sua mensagem foi enviada com sucesso!

 

 

Dados de contato

Praça Comendador Paulo Storani, 123. Vila Planalto, Vinhedo/SP

(19) 3876-1610
(19) 3886-3483
(19) 3886-3388

etica@etica.odo.br

Curta nossa página

©Ética Saúde Bucal - Copyrights

Todos os direitos reservados ©2019